MAIO 2019

TEATRO

CINETEATRO | CASA MUNICIPAL DA CULTURA

PAS DE DEUX analisa relações conjugais que percorrem os nossos dias, sob um discurso intenso, intimista e portador de um humor que oscila entre a ternura do romantismo e o chicote implacável do ciúme. Em tempos de forte reflexão de papéis sociais, alimentam também a pesquisa de que homens e mulheres ainda somos ou aspiramos.

O Teatro Experimental do Nordeste (TEN) nasceu, em 2018. Um coletivo da comunidade transmontana reuniu-se com o desejo de traçar um trajeto artístico em comum, e PAS DE DEUX é o seu primeiro trabalho teatral.

Ficha Técnica:
PAS DE DEUX
surge como adaptação profunda da obra "Nada de Dois" de Pedro Mexia, e tem encenação e coordenação dramatúrgica de Alexandre Sampaio, interpretação de Gisela Firmino, João Cardoso, José Paulo Tavares, Luís Quinas Guerra, Rosa Monteiro e Vitor Martins, Fotografia e instalação vídeo de Ricardo Raminhos e grafismo de Ana Moreno e Gil Machado. Apoio da Alho Filmes. Agradecimentos a Abel Santos, Andreia Neves Inácio, Cláudia Pimentel, Elisabete Baía, Magda Martins, Maria Helena Rodrigues, Linguaemundi e a toda a equipa do Teatro de Vila Real. Coprodução com o Teatro de Vila Real. Duração de 60min. Escalão etário: maiores de 16 anos.

Entrada: Normal - 2€; C/ Cartão Municipal - 1€

TEATRO

CASA MUNICIPAL DA CULTURA

Dias 27, 29 e 30 | Maio | 21:30H

MOTIN - 12ª Mostra de teatro escolar de Seia

O MOTIN - Mostra de Teatro Infanto-juvenil do concelho Seia pretende promover e divulgar um conjunto de de textos dramáticos conceituados de índole nacional e internacional, tendo em vista criar uma inter-relação entre os alunos e os professores das escolas participantes, com o intuito de valorizar a arte teatral num todo, articulado e consistente.

Os serviços culturais do município ao realizarem este tipo de ações desenvolvem um trabalho significativo e importante no domínio técnico artístico e performativo, pretendendo criar sinergias e debates entre os alunos , professores e espetadores.

Pretende-se igualmente, proporcionar formação teatral ao público escolar interessado e contribuir para a participação, envolvimento, criação e consolidação de público; exaltar o teatro como área artística de eleição, graças ao trabalho que tem vindo a ser desenvolvido ao longo dos últimos 12 anos; reforçando a importância dos aspetos culturais e teatrais na comunidade escolar e público em geral.


Entrada Livre

TEATRO

CINETEATRO | CASA MUNICIPAL DA CULTURA

XII MOTIN - Mostra de Teatro Infanto - Juvenil

Sinopse
No tempo da Inquisição de 1490 em Espanha, realizam-se sistematicamente autos de fé. Há uma perseguição acérrima aos judeus. Esteban, o carrasco, chega a casa desolado por participar ativamente na morte de judeus. A mulher de Esteban lamenta-se a cada dia, pela morte do filho. Uma mulher acusada de bruxaria, foge do povo e penitentes sendo capturada para prestar declarações no tribunal da Inquisição. A mulher em questão é presa...no final a revelação de um dos maiores crimes em nome de Deus é condenado pelos dois arguidos.

Ficha Técnica:
Autor:
Jorge Raskolnikov
Encenação/Direção: José António Baptista/ Victor Sousa
Luminotecnia/Sonoplastia: Alunos da turma do 10º e 12º Ano do Curso Técnico Psicossocial
Interpretação: Alunos da turma do 10º e 12º Ano do Curso Técnico Psicossocial
Historial do grupo (10º e 12ºK):
No ano letivo 2017/18 participaram no XI Motin com o texto dramático "Hamlet", "Modelagem de Balões", "Pinturas Faciais", "Fantoches de Dedo", "Dança criativa...relax"...

Entrada livre

TEATRO

CINETEATRO | CASA MUNICIPAL DA CULTURA

XII MOTIN - Mostra de Teatro Infanto - Juvenil

Sinopse
Era uma vez um soldado que secretamente aspirava o poder. Esse homem tinha uma mulher ambiciosa e perversa que soube convencê-lo de que, a melhor forma de conseguir os seus desejos era destituir o Rei Duncan…

Ficha Técnica:
Autor:
William Shakespeare
Encenação/Direção: José Baptista e Graça Amaral
Luminotecnia/Sonoplastia: Alunos da Escola
Interpretação:
Guilherme Laranjo, Francisco Laranjo, André Dias, Dinis Martins, Maria Branquinho, Beatriz Saraiva, Inês Garcia, Ricardo Gama, Tomás Cunha, Bianca Ferreira, Carolina Ferreira.
Historial do grupo:
É um grupo de alunos do 7º, 8º e 9º ano, que usufruem da disciplina de Expressão Dramática/ Teatro em contexto de clube. Este grupo realiza a sua participação pela primeira vez.

Entrada livre

TEATRO

CINETEATRO | CASA MUNICIPAL DA CULTURA

XII MOTIN - Mostra de Teatro Infanto - Juvenil

Sinopse
"Há duas espécies de fadas: as fadas boas e as fadas más. As fadas boas fazem coisas boas e as fadas más fazem coisas más."
É desta forma que começa a história da Fada Oriana, uma fada boa, bonita, alegre e feliz, a quem um dia a Rainha das Fadas pôs ao cuidado uma floresta, ficando a seu cuidado homens, animais e plantas que ali viviam. Certa manhã depois de salvar o peixe de morrer asfixiado fora de água, pôs a mirar a sua beleza nas águas do rio, esquecendo-se de cuidar dos que estavam a seu cuidado…. Mais tarde teve de sofrer as consequências...

Ficha Técnica:
Autor:
Sophia Mello Breyner
Encenação/Direção: Professora Maria João Alves
Luminotecnia/Sonoplastia: Alunos do clube de Expressão Dramática /Teatro
Interpretação: Alunos do clube de Expressão Dramática /Teatro
Historial do grupo:
O Clube de Expressão Dramática existe desde a fundação da escola em 1991.Sempre funcionou como atividade extracurricular, sendo os seus alunos, maioritariamente, do terceiro ciclo. As peças encenadas e/ou adaptações cénicas apresentadas foram sempre entendidas como um projeto comum de partilha de opções cénicas planeadas e definidas em conjunto do grupo participante. É nessa corresponsabilização mútua e no aspeto lúdico-didático- pedagógico que assentam os objetivos basilares deste clube.

Entrada livre

MARÇO 2019

TEATRO

CASA MUNICIPAL DA CULTURA

Dia 30 | Março | 21:30 Horas

O DIA DA ILUSÃO, Asta Teatro

Não chores porque acabou, sorri sim porque aconteceu…agora nem choro nem sorrio, agora olho as estrelas e não me encontro…
Em um Dia de Ilusão, entramos no mundo de uma qualquer estrela (de)cadente, mas poderia ser o dia de ilusão de qualquer um de nós. Se as coisas foram feitas para serem usadas e as pessoas amadas, porque usamos as pessoas e amamos as coisas?
O espetáculo conta as peripécias de uma diva em decadência, ou não. Ora temos Helena Prestes em palco, a diva da música portuguesa, ora temos Maria, uma governanta muito especial, provavelmente de raízes populares.
Ao espetáculo de teatro junta-se também a música ao vivo, já que a peça termina com a "diva" numa alusão a um dos seus espetáculos.

produção_ASTA; encenação_Rui Pires; interpretação_Carmo Teixeira; texto _António Abernú; direção de produção_Sérgio Novo; design gráfico_Sérgio Novo; adereços e acessórios _Sérgio Novo e Paulo Runa; guarda-roupa_Sérgio Novo e Miguel Gigante; cenografia_João Cantador e Sérgio Novo; desenho de luz_João Cantador e Rui Pires; operação de luz e som_João Cantador e Rui Pires; arranjos musicais e piano_Hugo Santos; técnico de som_Miguel Castelo Branco; voz off _Horácio Carvalho; duração_60 min.; classificação etária_M/6

Entrada: Normal - 4€; C/ Cartão Municipal - 2€

FEVEREIRO 2019

TEATRO

CASA MUNICIPAL DA CULTURA

O teatro conta a história de dois irmãos gémeos, Maria e João. Separados à nascença, os gémeos crescem em casas com ambientes muitos diferentes, o que também se reflecte nas suas personalidades. No dia em que fazem 22 anos, recebem uma mensagem do pai "biológico", a confiar-lhes um tesouro "maior do que eles podem imaginar".
Motivados pela riqueza prometida, cada um dos irmãos parte à descoberta do tesouro. E nesta procura que eles se encontram e conhecem, sendo que a partir desse momento a aventura torna-se a interacção (difícil) que acontece entre os dois.
Um acidente de carro virá a aproximar os irmãos, e mudar as suas vidas para sempre.

Entrada livre, sujeita à lotação da sala

TEATRO _ Stand Up Comedy

CASA MUNICIPAL DA CULTURA

Depois do medo marca o regresso de Bruno Nogueira ao stand up e, juntamente com isso, o regresso à escrita de sinopses na terceira pessoa do singular. Neste seu novo espetáculo, Bruno Nogueira aborda questões que só incomodam pessoas que têm demasiado tempo livre.

Bilhetes à venda em:

  • Casa Municipal da Cultura
  • BOL https://goo.gl/iHStgR
  • todas as lojas Fnac
  • todas as lojas Worten
> Compre o seu bilhete antes que esgote!!!

TEATRO

CASA MUNICIPAL DA CULTURA

Este espetáculo baseia-se na obra de José Saramago. Fernando Pessoa e Ricardo Reis podem encontrar-se? Confrontar o criador e a sua obra? Qual a sua relação?
Ricardo Reis, homem vindo do Brasil, preocupa-se com a cidade de Lisboa e a sua passiva noção de felicidade. O país da sopa dos pobres e das obras de caridade em todas as paróquias e freguesias. O país onde se morre de doença e de falta de trabalho. O país dos milagres de Fátima e da devoção ao chefe...
Ricardo Reis veio para morrer, mas sobretudo para dar esperança a pacientes como Marcenda ou mulheres como Lídia.

Neste espetáculo destinado ao 12º ano e com uma duração prevista de 1h20min, o universo de Saramago e Fernando Pessoa fundem-se para dar ao público uma ideia do que era a vida social, económica e moral do nosso país pré salazarista.

TEATRO

CASA MUNICIPAL DA CULTURA

Esta história intemporal caracteriza a sociedade lisboeta do fim do séc. XIX: a política, as corridas de cavalos, as tardes passadas no Grémio Literário, os passeios em Sintra, os aspirantes a chique, etc.
Esta crítica à sociedade é feita através da narrativa da vida de Carlos da Maia, homem abastado e culto. Como a maioria das pessoas da época, acaba por viver uma vida dupla, tendo sido amante de várias senhoras da alta sociedade. Ao seu lado tem o seu melhor amigo, João da Ega, a projecção literária de Eça de Queirós. É uma personagem contraditória: romântico e sentimental, mas também progressista e crítico. O avô Afonso da Maia, assiste a tudo, observando e tentando, sem efeito, incutir a sua posição conservadora. Passamos também por Dâmaso Salcede, que representa tudo o que a sociedade tinha de pior. Mesquinho e convencido, tem uma única preocupação na vida: ser "chique a valer". Os Condes de Gouvarinho, espelhos da falsidade da sociedade, representam a incompetência do poder político.
Eça de Queirós descreve esta sociedade de costumes e acaba a história com o romance entre Carlos da Maia e Maria Eduarda, dois jovens que ao longo da trama descobrem algo que mudará as suas vidas para sempre. Um final trágico, mas óbvio e que somente Eça poderia dar nesta obra.

Texto e dramaturgia: Norberto Barroca; Encenação: Luís Trigo; Música: Luís Trigo; Elenco: Daniel Pinheiro, Luis Trigo, Kátia Guedes, Nuno Martins, Pedro M. Dias e Vânia Mendes; Cenografia: Paula Trigo; Figurinos e adereços: Paula Trigo e Helena Gama

www.facebook.com/EtceteraTeatro | www.etcteatro.pt

topo