DEZEMBRO 2018

TEATRO _ Stand Up Comedy

CINETEATRO | CASA MUNICIPAL DA CULTURA

Salvador Martinha está de volta para falar sobre o seu défice de atenção. Todos os dias o diálogo repete-se:
- Salvador, estás a ouvir? Salvador? Salvador, não estás cá, pois não?
Pronto, já estás ausente. Estavas a pensar em quê? Onde estavas?
- Ah, desculpa. Não estava aqui.
"Cabeça ausente" é um "share location" do seu pensamento alheado. Em que pensa Salvador Martinha quando desliga do mundo? Porque desliga tanto e ao mesmo tempo está tão ligado?
Sobre medo e sobre verdade.
Para rir, claro.

Duração: 90 minutos, sem intervalo; Promotor: Golden Gate, Lda.; Apoio: Município de Seia;

Bilhete (preço único): 12 €, Bilhetes já à venda em BOL: https://goo.gl/Fo7rkV

JULHO 2018

TEATRO

LARGO DO MUNICÍPIO

O espetáculo é coordenado pela ASTA Teatro e conta, para além dos atores da Companhia, com cerca de 30 atores dos 5 municípios (Seia, Fornos de Algodres, Manteigas, Celorico da Beira e Gouveia). Um trabalho que resultou de uma residência artística que decorreu em Seia durante a primeira quinzena de junho.
Durante 15 dias o espetáculo foi sendo construído na articulação entre os atores profissionais e pessoas da comunidade, naquilo que constitui a primeira fase de uma experiência única para os que aderiram a este projeto criativo.
Esta atividade está inserida no projeto "Cultura em Rede das Beiras e Serra da Estrela" promovido pela CIMBSE em parceria com a Associação de Municípios da Cova da Beira e os municípios pertencentes à CIM.

Uma Odisseia que atravessa o coração da Serra da Estrela percorrendo um território de montanhas, vales e caminhos ancestrais como uma epopeia da transumância.
Viver uma Odisseia como um Ulisses, é também sinónimo de atravessar grandes dificuldades, uma sucessão de acontecimentos trágicos e extraordinários, uma viagem atribulada, cheia de aventuras e obstáculos. Um poema coletivo que simboliza os atos heroicos e grandiosos de um povo, dos seus heróis e da sua identidade. Uma viagem em que os protagonistas assumem formas humanas, divinas e imaginárias, criando uma narrativa repleta de momentos oníricos e épicos.

____________________
Odisseia
Rui Pires | Coordenador | ASTA
Marco Ferreira | Direção Teatral | ASTA
Bitocas Fernandes (Glocalmusic) | Direção Musical | ASTA
Bruno Miguel e Rosa Martins | Cenografia e Figurinos | ASTA
Adriana Pais | Atriz | ASTA
António Abernú | Ator | ASTA
Bruno Esteves | Ator | ASTA
Carmo Teixeira | Atriz | ASTA
Helena Ribeiro | Atriz | ASTA
Sérgio Novo | Ator | ASTA

Mairea Buenaventura + Patrícia Poção | Fotografia e Vídeo | Locaslocasproducciones
Black Koncept | Luz e Som

Participantes por Município

António Faria | Celorico da Beira
Ana Vaz | Fornos de Algodres
André Santos | Fornos de Algodres
Bruno Santos | Fornos de Algodres
Cláudia Jacinto | Fornos de Algodres
Duarte Nunes | Fornos de Algodres
Fernando Rebe|o | Fornos de Algodres
Manuel Almeida | Fornos de Algodres
Alicia Gómez | Gouveia
Gabriel de Figueiredo | Gouveia
Isabel Si|va | Gouveia
Jenifa Cardona | Gouveia
José Abrantes | Gouveia
Alice Rodrigues | Manteigas
Ana Vicente | Seia
Carla Reis | Seia
Carlos Teófi|o | Seia
Elsa Pinto | Seia
Margarida Saraiva | Seia
Maria Ascensão | Seia
Mariana Costa | Seia
Marlene Ascensão | Seia
Patrícia Martins | Seia
____________________
Agradecimentos

António Carlos Marques | Câmara Municipal de Celorico da Beira
Alexandre Lote | Câmara Municipal de Fornos de Algodres
Rui Eufrázia | Câmara Municipal de Gouveia
Miguel Serra | Câmara Municipal de Manteigas
Mário Branquinho e José Nunes | Câmara Municipal de Seia
_____________________
Ficha Técnica
Web Design | António Abernú

© 2018, Asta produções

MAIO 2018

TEATRO

CASA MUNICIPAL DA CULTURA SEIA

Estão abertas as candidaturas de voluntários para projeto inovador de teatro comunitário em rede para a reinvenção e reinterpretação das histórias e costumes da região. Qualquer pessoa pode participar e integrar a equipa de atores.


O projeto de Teatro “Odisseia” é promovido pelos Municípios de Celorico da Beira, Fornos de Algodres, Gouveia, Manteigas e Seia, em articulação com a Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela, e tem como fim promover a cultura e a identidade regional, numa produção de teatro participada pelos residentes no território. Pretende-se que seja um projeto desenvolvido da região para a região que congregue todos os cidadãos que tenham vontade e interesse em integrar uma equipa de Teatro e participar na conceção e realização de uma produção ao longo de 3 meses.

O projeto de Teatro é coordenado pela companhia profissional de Teatro ASTA e envolverá voluntários dos 5 Municípios que promovem o projeto. Durante a primeira quinzena de junho, os voluntários inscritos participarão num período intensivo de ensaios para a preparação do espetáculo. Os ensaios terão lugar na Casa da Cultura de Seia e decorrerão em regime pós-laboral e noturno. As deslocações e alimentação dos participantes são asseguradas pela organização.

O espetáculo produzido será posteriormente apresentado, pelo menos, uma vez em cada um dos Municípios patrocinadores do projeto nos meses de julho e agosto. O calendário de apresentações será atempadamente divulgado junto dos voluntários selecionados.

Os voluntários interessados em integrar a equipa de atores, deverão enviar a sua candidatura por e-mail para casacultura@cm-seia.pt ao cuidado do Dr. Mário Jorge Branquinho, indicando nome completo, morada, idade e número de telefone/telemóvel. As inscrições estão abertas e são limitadas, pelo que se recomenda a submissão da candidatura no tempo mais breve possível.

Este projeto de Teatro comunitário integra-se na operação “Cultura em Rede das Beiras e Serra da Estrela” liderada pela Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela e cofinanciada pela União Europeia através do Fundo Estrutural de Desenvolvimento Regional ao abrigo do Programa CENTRO 2020, que tem como objetivo geral a constituição de uma rede territorial e institucional vocacionada para a projeção e divulgação do território e da sua identidade, fortemente alicerçada na promoção da cultura e do turismo cultural.


TEATRO - XIII MOTIN - Mostra de Teatro Infanto-Juvenil

CASA MUNICIPAL DA CULTURA SEIA

Sinopse
Hamlet Príncipe da Dinamarca, retorna ao seu país-natal quando seu pai, o rei, morre. Ao chegar, já encontra sua mãe casada com seu tio que se tornara rei. Mas logo o fantasma do pai de Hamlet surge e conta ao filho que seu tio e sua mãe o tinham assassinado. Hamlet passa então a ser atormentado pela decisão de vingar a morte do pai ou ter uma atitude passiva em relação ao fato. Por tudo isto surge a frase " ser ou não ser eis a questão".

Ficha técnica
Autor:
Wiliam Shakespeare; Encenação/Direção: José António Baptista/ Victor Sousa; Luminotecnia/Sonoplastia: Alunos da turma do 11º Ano do Curso Técnico Psicossocial; Interpretação: Alexandra Parente, Ana Fernandes, Iris Coelho, Jéssica Mota, Joana Coelho, Maria Ferreira, Mariana Araújo, Soraia Nogueira, Vanessa Rodrigues.

Historial do grupo (11ºK)
No ano lectivo 2016/17 participaram no XII Motin com o texto dramático "Pessoas de Fernando", "Modelagem de Balões", "Pinturas Faciais", "Construção de Fantoches em Papel Marchê", "Teatro de Sombras", "Fantoches de Dedo". Participaram no teatro do oprimido em parceria com a Instituição Val'Arte. Realizaram as seguintes CiclÓficinas: "O Jogo Educativo como Estratégia", "Jogos Dramáticos - O Corpo Veículo de Expressão", "Relaxamento…Criatividade Fantástica de Sonhos", Animação da Juventude da Terceira Idade". Desenvolveram durante este ano letivo os módulos: "Corpo e Movimento", "Corpo e Gesto", "Oficina de Experimentação", "Meios e Técnicas de Expressão I" e "Expressão e Comunicação".

Entrada livre


TEATRO - XIII MOTIN - Mostra de Teatro Infanto-Juvenil

CASA MUNICIPAL DA CULTURA SEIA

Sinopse
Conto de Inverno - o negro e o branco patente nas cenas hilariantes em que o rei Leontes, um marido ciumento, prende a sua esposa numa Torre. Seguidamente, manda que abandonem numa praia, para que morra, a sua própria filha recém-nascida. Encontrada e criada por pastores, Perdita, anos mais tarde, será a chave para uma história de injustiça e perdão, de perda e reconciliação. Comédia

Ficha técnica
Autor:
William Shakespeare; Encenação/Direção Musical: José António Baptista e Helder Abreu; Luminotecnia: Alunos do Curso Profissional de Instrumentista de Sopro e Percussão /Cordas e Tecla; Sonoplastia: Alunos do Curso Profissional de Instrumentista de Sopro e Percussão /Cordas e Tecla; Interpretação: Guilherme Ferreira, Ana Figueiredo, Ângelo Santos, Beatriz Araújo, Cheila Paixão, Fábio Abreu, José Neves, Mariana Machado, Sara Pereira, Sérgio Filipe, Sónia Matos e Liane Luís.

Historial do grupo
Este grupo é o primeiro ano que participa. Nos anos transatos participaram com os textos dramáticos "Intemporalidade do amor" de Rosa lobato Faria e "Frozen - uma aventura congelante"e "performances comics".

Entrada livre


TEATRO - XIII MOTIN - Mostra de Teatro Infanto-Juvenil

CASA MUNICIPAL DA CULTURA SEIA

Ficha técnica
Autor:
Luiz Vaz de Camões; Encenação/Direção: Professora Isaura Alves; Luminotecnia: Alunos do clube de Expressão Dramática - EEN; Sonoplastia: Alunos do clube de Expressão Dramática- EEN; Interpretação: Alunos do clube de Expressão Dramática- EEN;

Historial do grupo
O Clube de Expressão Dramática - EEN existe desde a fundação da escola, 1991, está, por isso, no seu vigésimo quinto ano de existência. Sempre funcionou como atividade extracurricular, sendo os seus participantes, alunos, maioritariamente, do terceiro ciclo. As peças encenadas e/ou adaptações cénicas apresentadas foram sempre entendidas como um projeto comum de partilha de opções cénicas planeadas e definidas em conjunto, num entrosamento o mais profícuo e aprazível possível para todos os elementos do grupo participante. É nessa corresponsabilização mútua e no aspeto lúdico-didático- pedagógico que assentam os objetivos basilares deste clube.

Entrada livre


TEATRO - XIII MOTIN - Mostra de Teatro Infanto-Juvenil

CASA MUNICIPAL DA CULTURA SEIA

Sinopse
Era uma vez um homem obtuso, rude, ignorante, covarde e servil que secretamente sonhava com o poder. Esse homem tinha uma mulher esperta, ambiciosa e perversa que soube convencê-lo que a melhor forma de conseguir os seus desejos era fazer-se passar por revolucionário. Por esta altura já estão todos a ver a cara dele, não é? Não. Ele não é muito conhecido, apesar de ser muito imitado. Ele é Ubu, Rei da Polónia, ou de sítio nenhum, que saiu do génio de Alfred Jarry, pai do Modernismo, do Dadaísmo, do Surrealismo e do Teatro do Absurdo.

Ficha técnica
Autor:
Alfred Jarry; Encenação/Direção: José Baptista e Graça Amaral; Luminotecnia: Alunos da Escola; Sonoplastia: Gustavo Silva e Hugo Ribeiro; Interpretação: Gabriel Baptista, Afonso Silva, Catarina Figueiredo, Camila Batista, Guilherme Laranjo, Francisco Laranjo, Jéssica Oliveira, Catarina Figueiredo, Constança Neves, Mónica Marques, Francisca Lavrador, Francisco Flor, Carolina Estorninho, Laura Rodrigues, Tiago Cardoso.

Historial do grupo
É um grupo de alunos do 7º e 8º ano, que usufruem da disciplina de expressão dramática/ teatro em contexto de clube. Este grupo já usufrui de uma aprendizagem teatral de um ano. No ano letivo de 2014/2015 e 2015/2016, prepararam e apresentaram os textos dramáticos "Despertar da Primavera" e "Sonho de uma noite de Verão", respectivamente. Efetuaram apresentações no XII Motin em Seia e na Mostra de Teatro em Coimbra.

Entrada livre


ABRIL 2018

TEATRO_Stand Up Comedy

CASA MUNICIPAL DA CULTURA SEIA

Dia 7 | Abril | 21:30 H

QUIM ROSCAS & ZECA ESTACIONÂNCIO

Com 2300 espetáculos, 126.000 km percorridos em 15 anos de muitas gargalhadas, Quim Roscas (João Paulo Rodrigues) & Zeca Estacionâncio (Pedro Alves) são a dupla de humoristas de maior sucesso em Portugal.
Comédia, improviso, muita estupidez e uma "BoysBand" fracassada, que lançou para longe a sua carreira musical que nunca encontraram, é o que garantem a um público de todas as idades.
Com muito sentido de humor e com todos estes ingredientes à mistura, Quim Roscas & Zeca Estacionâncio, prometem a todos um espetáculo de 90 minutos hilariante e boa disposição do principio ao fim.

Promotor Golden Gate Lda; Duração: 90 minutos, Sem Intervalo; Classificação: M/ 16 anos; Preço: Geral - 12€


TEATRO

CASA MUNICIPAL DA CULTURA SEIA

Dia 21 | Abril | 21:30 H

BRINCOS À RONALDO E OUTRAS HISTÓRIAS

Espetáculo de teatro criado para a promoção da Igualdade de Género e que decorre no âmbito do programa Abril, mês da Prevenção dos maus tratos infantis, organizado pelo municipio de Seia.

Com uma dramaturgia sustentada em investigação de referência, e acompanhada por uma especialista em Igualdade de Género, bem como em relatos de experiências de vida, "os brincos à Ronaldo e outras histórias" foi transposto cenicamente para um discurso quotidiano, alegre, interativo, e acessível a todos os públicos.
Pretende-se desta forma que a promoção da Igualdade de Género em Portugal possa ser assim mais eficazmente refletida, e que as nossas ações a tenham mais presente na vida social, familiar e laboral. Estes três vetores, interdependentes, são trabalhados neste espetáculo, e motivo para grande identificação de práticas comportamentais por parte do público, que, revendo-se, se interroga.

Esta produção teve já várias apresentações nos municípios de Portalegre, Seia, Lisboa, Oliveira de Azeméis, Mértola, Rio Maior, Cascais, Valongo, Castelo Branco, Gouveia, Felgueiras, Sabugueiro, Lagoa, Fornos de Algodres, Salvaterra de Magos, bem como em Paris, para as comemorações do Dia de Portugal junto das comunidades portuguesas.

Ficha Técnica
Encenação
Alexandre Sampaio; Dramaturgia: Abel Santos, Alexandre Sampaio, Alicia Gómez, Sofia Borges, e adaptação de cartoons, notícias de jornais, poema de Miguel Araújo, livros da especialidade e relatórios europeus sobre a temática da Igualdade de Género; Apoio técnico: Isabel Ramos; Interpretação: Alicia Gómez, Joana Costa Saraiva/Sofia Borges e José Armando.

Duração: 45min. Espetáculo para todas as idades; Entrada livre


TEATRO _ Escolas

CASA MUNICIPAL DA CULTURA SEIA

O espetáculo parte de textos na sua maioria inéditos, criados em oficinas de escrita, onde se explora e combina a pluralidade de temas primordiais na vida dos adolescentes (e inevitavelmente de muitos adultos). A partir de situações ficcionadas e outras de inspiração em factos reais, o espetáculo aborda as problemáticas que envolvem o corpo e os seus significados nos contextos pessoal e colectivo; a sexualidade e orientações na sua ampla expressão; Identidades de género e as suas subjectividades; a descriminação e bullying, os comportamentos de risco, como as IST/DST e gravidez indesejada. A afetividade, o namoro, a violência dentro deste contexto, completam o leque temático do espetáculo.

Numa combinação de realidade e ficção, do científico com artístico, o espetáculo propõe uma experiência, a todos que o assistam, onde o lúdico, o pedagógico e o estético se encontram e se definem num objeto e função comuns.

Objetivo
Proporcionar junto do público escolar e outros interessados, um encontro para um diálogo entre o teatro e a realidade (s), possíveis, do público-alvo.
Abrir à reflexão muitas das problemáticas causadoras de inquietações, inseguranças, ansiedades, medos, mas também dos sonhos e desejos, para além de outras questões que coincidem com esta etapa da vida e, em certos aspetos, com outras etapas posteriores.

Textos - Criação em oficinas de escrita; Autores citados - Jean Cocteau, Jean Paul Sartre, Jean-Jacques Rousseau; Adaptação - Su Maia, Tó Maia; Encenação - Tó Maia; Música e sonoplastia - Filipe Silva; Dispositivos cénicos - Pedro Esperança; Guarda roupa - Teatro Aramá

Interpretação - Beatriz Magano, Cristóvão Lopes, Inês Granja e Tó Maia (atores substitutos Su Maia e Manuel A. Santos); Vozes off - Alexandre Rodrigues, Cristina Nunes, Débora Pinto, Filipe Silva, Jacinto Durães, Gina Mendes, Ricardo Vieira e elenco; Fotografia - André Delhaye; Video - Serge Bochnakian; Colaboração - Catarina Caldas; consultadoria médica Operação técnica - Filipe Silva/ Pedro Esperança Produção: Teatro Arama?


MARÇO 2018

TEATRO _ Escolas

CASA MUNICIPAL DA CULTURA SEIA

Este espetáculo baseia-se na obra de José Saramago. Fernando Pessoa e Ricardo Reis podem encontrar-se? Confrontar o criador e a sua obra? Qual a sua relação?
Ricardo Reis, homem vindo do Brasil, preocupa-se com a cidade de Lisboa e a sua passiva noção de felicidade. O país da sopa dos pobres e das obras de caridade em todas as paróquias e freguesias. O país onde se morre de doença e de falta de trabalho. O país dos milagres de Fátima e da devoção ao chefe...
Ricardo Reis veio para morrer, mas sobretudo para dar esperança a pacientes como Marcenda ou mulheres como Lídia.

Neste espetáculo destinado ao 12º ano e com uma duração prevista de 1h20min, o universo de Saramago e Fernando Pessoa fundem-se para dar ao público uma ideia do que era a vida social, económica e moral do nosso país pré salazarista.


TEATRO _ Escolas

CASA MUNICIPAL DA CULTURA SEIA

Esta história intemporal caracteriza a sociedade lisboeta do fim do séc. XIX: a política, as corridas de cavalos, as tardes passadas no Grémio Literário, os passeios em Sintra, os aspirantes a chique, etc.
Esta crítica à sociedade é feita através da narrativa da vida de Carlos da Maia, homem abastado e culto. Como a maioria das pessoas da época, acaba por viver uma vida dupla, tendo sido amante de várias senhoras da alta sociedade. Ao seu lado tem o seu melhor amigo, João da Ega, a projecção literária de Eça de Queirós. É uma personagem contraditória: romântico e sentimental, mas também progressista e crítico. O avô Afonso da Maia, assiste a tudo, observando e tentando, sem efeito, incutir a sua posição conservadora. Passamos também por Dâmaso Salcede, que representa tudo o que a sociedade tinha de pior. Mesquinho e convencido, tem uma única preocupação na vida: ser "chique a valer". Os Condes de Gouvarinho, espelhos da falsidade da sociedade, representam a incompetência do poder político.
Eça de Queirós descreve esta sociedade de costumes e acaba a história com o romance entre Carlos da Maia e Maria Eduarda, dois jovens que ao longo da trama descobrem algo que mudará as suas vidas para sempre. Um final trágico, mas óbvio e que somente Eça poderia dar nesta obra.

Texto e dramaturgia: Norberto Barroca; Encenação: Luís Trigo; Música: Luís Trigo; Elenco: Daniel Pinheiro, Luis Trigo, Kátia Guedes, Nuno Martins, Pedro M. Dias e Vânia Mendes; Cenografia: Paula Trigo; Figurinos e adereços: Paula Trigo e Helena Gama
www.facebook.com/EtceteraTeatro | www.etcteatro.pt


FEVEREIRO 2018

TEATRO _ Musical

CASA MUNICIPAL DA CULTURA

Dia 11 | Fevereiro | 15:30H

BARTOLOMEU, O VOADOR

Integrado na 58ª edição do Festival DME que decorrerá em Seia nos dias 11 e 12 de Fevereiro, terá lugar domingo dia 11, a estreia do teatro musical infantil “Bartolomeu, o voador”, com música de Jaime Reis, direção musical de Helder Abreu e encenação de José Baptista.

O espetáculo apoiado pelo município de Seia, decorrerá no Cineteatro da Casa da Cultura de Seia a partir das 15:30 horas e contará com interpretação de alunos do Collegium Musicum - Conservatório de Música de Seia. Será no dia 11 de fevereiro pelas 15h30, na Casa Municipal da Cultura de Seia.

Entrada livre.


topo