ABRIL 2018

TEATRO_Stand Up Comedy

CASA MUNICIPAL DA CULTURA SEIA

Dia 7 | Abril | 21:30 H

QUIM ROSCAS & ZECA ESTACIONÂNCIO

Com 2300 espetáculos, 126.000 km percorridos em 15 anos de muitas gargalhadas, Quim Roscas (João Paulo Rodrigues) & Zeca Estacionâncio (Pedro Alves) são a dupla de humoristas de maior sucesso em Portugal.
Comédia, improviso, muita estupidez e uma "BoysBand" fracassada, que lançou para longe a sua carreira musical que nunca encontraram, é o que garantem a um público de todas as idades.
Com muito sentido de humor e com todos estes ingredientes à mistura, Quim Roscas & Zeca Estacionâncio, prometem a todos um espetáculo de 90 minutos hilariante e boa disposição do principio ao fim.

Promotor Golden Gate Lda; Duração: 90 minutos, Sem Intervalo; Classificação: M/ 16 anos; Preço: Geral - 12€


TEATRO

CASA MUNICIPAL DA CULTURA SEIA

Dia 21 | Abril | 21:30 H

BRINCOS À RONALDO E OUTRAS HISTÓRIAS

Espetáculo de teatro criado para a promoção da Igualdade de Género e que decorre no âmbito do programa Abril, mês da Prevenção dos maus tratos infantis, organizado pelo municipio de Seia.

Com uma dramaturgia sustentada em investigação de referência, e acompanhada por uma especialista em Igualdade de Género, bem como em relatos de experiências de vida, "os brincos à Ronaldo e outras histórias" foi transposto cenicamente para um discurso quotidiano, alegre, interativo, e acessível a todos os públicos.
Pretende-se desta forma que a promoção da Igualdade de Género em Portugal possa ser assim mais eficazmente refletida, e que as nossas ações a tenham mais presente na vida social, familiar e laboral. Estes três vetores, interdependentes, são trabalhados neste espetáculo, e motivo para grande identificação de práticas comportamentais por parte do público, que, revendo-se, se interroga.

Esta produção teve já várias apresentações nos municípios de Portalegre, Seia, Lisboa, Oliveira de Azeméis, Mértola, Rio Maior, Cascais, Valongo, Castelo Branco, Gouveia, Felgueiras, Sabugueiro, Lagoa, Fornos de Algodres, Salvaterra de Magos, bem como em Paris, para as comemorações do Dia de Portugal junto das comunidades portuguesas.

Ficha Técnica
Encenação
Alexandre Sampaio; Dramaturgia: Abel Santos, Alexandre Sampaio, Alicia Gómez, Sofia Borges, e adaptação de cartoons, notícias de jornais, poema de Miguel Araújo, livros da especialidade e relatórios europeus sobre a temática da Igualdade de Género; Apoio técnico: Isabel Ramos; Interpretação: Alicia Gómez, Joana Costa Saraiva/Sofia Borges e José Armando.

Duração: 45min. Espetáculo para todas as idades; Entrada livre


TEATRO _ Escolas

CASA MUNICIPAL DA CULTURA SEIA

O espetáculo parte de textos na sua maioria inéditos, criados em oficinas de escrita, onde se explora e combina a pluralidade de temas primordiais na vida dos adolescentes (e inevitavelmente de muitos adultos). A partir de situações ficcionadas e outras de inspiração em factos reais, o espetáculo aborda as problemáticas que envolvem o corpo e os seus significados nos contextos pessoal e colectivo; a sexualidade e orientações na sua ampla expressão; Identidades de género e as suas subjectividades; a descriminação e bullying, os comportamentos de risco, como as IST/DST e gravidez indesejada. A afetividade, o namoro, a violência dentro deste contexto, completam o leque temático do espetáculo.

Numa combinação de realidade e ficção, do científico com artístico, o espetáculo propõe uma experiência, a todos que o assistam, onde o lúdico, o pedagógico e o estético se encontram e se definem num objeto e função comuns.

Objetivo
Proporcionar junto do público escolar e outros interessados, um encontro para um diálogo entre o teatro e a realidade (s), possíveis, do público-alvo.
Abrir à reflexão muitas das problemáticas causadoras de inquietações, inseguranças, ansiedades, medos, mas também dos sonhos e desejos, para além de outras questões que coincidem com esta etapa da vida e, em certos aspetos, com outras etapas posteriores.

Textos - Criação em oficinas de escrita; Autores citados - Jean Cocteau, Jean Paul Sartre, Jean-Jacques Rousseau; Adaptação - Su Maia, Tó Maia; Encenação - Tó Maia; Música e sonoplastia - Filipe Silva; Dispositivos cénicos - Pedro Esperança; Guarda roupa - Teatro Aramá

Interpretação - Beatriz Magano, Cristóvão Lopes, Inês Granja e Tó Maia (atores substitutos Su Maia e Manuel A. Santos); Vozes off - Alexandre Rodrigues, Cristina Nunes, Débora Pinto, Filipe Silva, Jacinto Durães, Gina Mendes, Ricardo Vieira e elenco; Fotografia - André Delhaye; Video - Serge Bochnakian; Colaboração - Catarina Caldas; consultadoria médica Operação técnica - Filipe Silva/ Pedro Esperança Produção: Teatro Arama?


MARÇO 2018

TEATRO _ Escolas

CASA MUNICIPAL DA CULTURA SEIA

Este espetáculo baseia-se na obra de José Saramago. Fernando Pessoa e Ricardo Reis podem encontrar-se? Confrontar o criador e a sua obra? Qual a sua relação?
Ricardo Reis, homem vindo do Brasil, preocupa-se com a cidade de Lisboa e a sua passiva noção de felicidade. O país da sopa dos pobres e das obras de caridade em todas as paróquias e freguesias. O país onde se morre de doença e de falta de trabalho. O país dos milagres de Fátima e da devoção ao chefe...
Ricardo Reis veio para morrer, mas sobretudo para dar esperança a pacientes como Marcenda ou mulheres como Lídia.

Neste espetáculo destinado ao 12º ano e com uma duração prevista de 1h20min, o universo de Saramago e Fernando Pessoa fundem-se para dar ao público uma ideia do que era a vida social, económica e moral do nosso país pré salazarista.


TEATRO _ Escolas

CASA MUNICIPAL DA CULTURA SEIA

Esta história intemporal caracteriza a sociedade lisboeta do fim do séc. XIX: a política, as corridas de cavalos, as tardes passadas no Grémio Literário, os passeios em Sintra, os aspirantes a chique, etc.
Esta crítica à sociedade é feita através da narrativa da vida de Carlos da Maia, homem abastado e culto. Como a maioria das pessoas da época, acaba por viver uma vida dupla, tendo sido amante de várias senhoras da alta sociedade. Ao seu lado tem o seu melhor amigo, João da Ega, a projecção literária de Eça de Queirós. É uma personagem contraditória: romântico e sentimental, mas também progressista e crítico. O avô Afonso da Maia, assiste a tudo, observando e tentando, sem efeito, incutir a sua posição conservadora. Passamos também por Dâmaso Salcede, que representa tudo o que a sociedade tinha de pior. Mesquinho e convencido, tem uma única preocupação na vida: ser "chique a valer". Os Condes de Gouvarinho, espelhos da falsidade da sociedade, representam a incompetência do poder político.
Eça de Queirós descreve esta sociedade de costumes e acaba a história com o romance entre Carlos da Maia e Maria Eduarda, dois jovens que ao longo da trama descobrem algo que mudará as suas vidas para sempre. Um final trágico, mas óbvio e que somente Eça poderia dar nesta obra.

Texto e dramaturgia: Norberto Barroca; Encenação: Luís Trigo; Música: Luís Trigo; Elenco: Daniel Pinheiro, Luis Trigo, Kátia Guedes, Nuno Martins, Pedro M. Dias e Vânia Mendes; Cenografia: Paula Trigo; Figurinos e adereços: Paula Trigo e Helena Gama
www.facebook.com/EtceteraTeatro | www.etcteatro.pt


FEVEREIRO 2018

TEATRO _ Musical

CASA MUNICIPAL DA CULTURA

Dia 11 | Fevereiro | 15:30H

BARTOLOMEU, O VOADOR

Integrado na 58ª edição do Festival DME que decorrerá em Seia nos dias 11 e 12 de Fevereiro, terá lugar domingo dia 11, a estreia do teatro musical infantil “Bartolomeu, o voador”, com música de Jaime Reis, direção musical de Helder Abreu e encenação de José Baptista.

O espetáculo apoiado pelo município de Seia, decorrerá no Cineteatro da Casa da Cultura de Seia a partir das 15:30 horas e contará com interpretação de alunos do Collegium Musicum - Conservatório de Música de Seia. Será no dia 11 de fevereiro pelas 15h30, na Casa Municipal da Cultura de Seia.

Entrada livre.


topo