SETEMBRO 2019

Teatro de Objetos, Circo e Magia

CINETEATRO | CASA MUNICIPAL DA CULTURA

Le Fumiste é uma homenagem às memórias de infância e outros momentos da vida. Lembranças de fumaça aparecem e dançam diante dos nossos olhos, dialogam com as emoções e preenchem o presente de uma forma tão vivida que parecem reais. Mas quando tentamos pegá-los, eles escapam entre os dedos, mudam de forma e desaparecem. Teatro de Objetos, Circo e Magia, onde os protagonistas de um mundo de memórias são construídos no palco a partir de elementos simples, como barcos e embarcações, que tomam forma e passam a ter alma e vida própria. Algumas pessoas sabem como acender outras pequenas luzes que permanecem para sempre, como aquelas que iluminam o vidro de um copo, dando-lhe brilho sem remover a transparência. Nossos avós ensinaram-nos a sentir emoções, em toda a sua força e ternura. O tempo confunde as memórias na nossa memória líquida, deixando uma marca inconfundível, um suspiro que, como um lápis de fumaça, deixa escrito no ar ... que aquilo que vivemos aconteceu da maneira mais bela.

Criação e interpretação: Davel Puente Hoces; Perspectivas externas: Acompanhamento à criação - Alberto Quirós; Manipulação de Objetivos: Cia Ze ro en Conducta; Texto e voz: Anouk Sébert; Coreografia do malabarismo: Lucas Escobedo, Daniel Sanchez; Trabalho de atores: Herminio Campilo; Magia: Imanol Ituiño e Fernando Santa Olalla; Sapateado: Lucas Tadeo; Criação de iluminação: José Herradón; Cenografia: Palomia Bravo e Anita Trenzamundos; Traje: Nicole Triqueres - Sebert; Imagens: Lux Nieve
https://www.dondavel.com/foto

Bilhetes: Normal - 4 €; C/ Cartão Municipal - 2 €

MAIO 2019

TEATRO

CINETEATRO | CASA MUNICIPAL DA CULTURA

PAS DE DEUX analisa relações conjugais que percorrem os nossos dias, sob um discurso intenso, intimista e portador de um humor que oscila entre a ternura do romantismo e o chicote implacável do ciúme. Em tempos de forte reflexão de papéis sociais, alimentam também a pesquisa de que homens e mulheres ainda somos ou aspiramos.

O Teatro Experimental do Nordeste (TEN) nasceu, em 2018. Um coletivo da comunidade transmontana reuniu-se com o desejo de traçar um trajeto artístico em comum, e PAS DE DEUX é o seu primeiro trabalho teatral.

Ficha Técnica:
PAS DE DEUX
surge como adaptação profunda da obra "Nada de Dois" de Pedro Mexia, e tem encenação e coordenação dramatúrgica de Alexandre Sampaio, interpretação de Gisela Firmino, João Cardoso, José Paulo Tavares, Luís Quinas Guerra, Rosa Monteiro e Vitor Martins, Fotografia e instalação vídeo de Ricardo Raminhos e grafismo de Ana Moreno e Gil Machado. Apoio da Alho Filmes. Agradecimentos a Abel Santos, Andreia Neves Inácio, Cláudia Pimentel, Elisabete Baía, Magda Martins, Maria Helena Rodrigues, Linguaemundi e a toda a equipa do Teatro de Vila Real. Coprodução com o Teatro de Vila Real. Duração de 60min. Escalão etário: maiores de 16 anos.

Entrada: Normal - 2€; C/ Cartão Municipal - 1€

TEATRO

CASA MUNICIPAL DA CULTURA

Dias 27, 29 e 30 | Maio | 21:30H

MOTIN - 12ª Mostra de teatro escolar de Seia

O MOTIN - Mostra de Teatro Infanto-juvenil do concelho Seia pretende promover e divulgar um conjunto de de textos dramáticos conceituados de índole nacional e internacional, tendo em vista criar uma inter-relação entre os alunos e os professores das escolas participantes, com o intuito de valorizar a arte teatral num todo, articulado e consistente.

Os serviços culturais do município ao realizarem este tipo de ações desenvolvem um trabalho significativo e importante no domínio técnico artístico e performativo, pretendendo criar sinergias e debates entre os alunos , professores e espetadores.

Pretende-se igualmente, proporcionar formação teatral ao público escolar interessado e contribuir para a participação, envolvimento, criação e consolidação de público; exaltar o teatro como área artística de eleição, graças ao trabalho que tem vindo a ser desenvolvido ao longo dos últimos 12 anos; reforçando a importância dos aspetos culturais e teatrais na comunidade escolar e público em geral.


Entrada Livre

TEATRO

CINETEATRO | CASA MUNICIPAL DA CULTURA

XII MOTIN - Mostra de Teatro Infanto - Juvenil

Sinopse
No tempo da Inquisição de 1490 em Espanha, realizam-se sistematicamente autos de fé. Há uma perseguição acérrima aos judeus. Esteban, o carrasco, chega a casa desolado por participar ativamente na morte de judeus. A mulher de Esteban lamenta-se a cada dia, pela morte do filho. Uma mulher acusada de bruxaria, foge do povo e penitentes sendo capturada para prestar declarações no tribunal da Inquisição. A mulher em questão é presa...no final a revelação de um dos maiores crimes em nome de Deus é condenado pelos dois arguidos.

Ficha Técnica:
Autor:
Jorge Raskolnikov
Encenação/Direção: José António Baptista/ Victor Sousa
Luminotecnia/Sonoplastia: Alunos da turma do 10º e 12º Ano do Curso Técnico Psicossocial
Interpretação: Alunos da turma do 10º e 12º Ano do Curso Técnico Psicossocial
Historial do grupo (10º e 12ºK):
No ano letivo 2017/18 participaram no XI Motin com o texto dramático "Hamlet", "Modelagem de Balões", "Pinturas Faciais", "Fantoches de Dedo", "Dança criativa...relax"...

Entrada livre

TEATRO

CINETEATRO | CASA MUNICIPAL DA CULTURA

XII MOTIN - Mostra de Teatro Infanto - Juvenil

Sinopse
Era uma vez um soldado que secretamente aspirava o poder. Esse homem tinha uma mulher ambiciosa e perversa que soube convencê-lo de que, a melhor forma de conseguir os seus desejos era destituir o Rei Duncan…

Ficha Técnica:
Autor:
William Shakespeare
Encenação/Direção: José Baptista e Graça Amaral
Luminotecnia/Sonoplastia: Alunos da Escola
Interpretação:
Guilherme Laranjo, Francisco Laranjo, André Dias, Dinis Martins, Maria Branquinho, Beatriz Saraiva, Inês Garcia, Ricardo Gama, Tomás Cunha, Bianca Ferreira, Carolina Ferreira.
Historial do grupo:
É um grupo de alunos do 7º, 8º e 9º ano, que usufruem da disciplina de Expressão Dramática/ Teatro em contexto de clube. Este grupo realiza a sua participação pela primeira vez.

Entrada livre

TEATRO

CINETEATRO | CASA MUNICIPAL DA CULTURA

XII MOTIN - Mostra de Teatro Infanto - Juvenil

Sinopse
"Há duas espécies de fadas: as fadas boas e as fadas más. As fadas boas fazem coisas boas e as fadas más fazem coisas más."
É desta forma que começa a história da Fada Oriana, uma fada boa, bonita, alegre e feliz, a quem um dia a Rainha das Fadas pôs ao cuidado uma floresta, ficando a seu cuidado homens, animais e plantas que ali viviam. Certa manhã depois de salvar o peixe de morrer asfixiado fora de água, pôs a mirar a sua beleza nas águas do rio, esquecendo-se de cuidar dos que estavam a seu cuidado…. Mais tarde teve de sofrer as consequências...

Ficha Técnica:
Autor:
Sophia Mello Breyner
Encenação/Direção: Professora Maria João Alves
Luminotecnia/Sonoplastia: Alunos do clube de Expressão Dramática /Teatro
Interpretação: Alunos do clube de Expressão Dramática /Teatro
Historial do grupo:
O Clube de Expressão Dramática existe desde a fundação da escola em 1991.Sempre funcionou como atividade extracurricular, sendo os seus alunos, maioritariamente, do terceiro ciclo. As peças encenadas e/ou adaptações cénicas apresentadas foram sempre entendidas como um projeto comum de partilha de opções cénicas planeadas e definidas em conjunto do grupo participante. É nessa corresponsabilização mútua e no aspeto lúdico-didático- pedagógico que assentam os objetivos basilares deste clube.

Entrada livre

MARÇO 2019

TEATRO

CASA MUNICIPAL DA CULTURA

Dia 30 | Março | 21:30 Horas

O DIA DA ILUSÃO, Asta Teatro

Não chores porque acabou, sorri sim porque aconteceu…agora nem choro nem sorrio, agora olho as estrelas e não me encontro…
Em um Dia de Ilusão, entramos no mundo de uma qualquer estrela (de)cadente, mas poderia ser o dia de ilusão de qualquer um de nós. Se as coisas foram feitas para serem usadas e as pessoas amadas, porque usamos as pessoas e amamos as coisas?
O espetáculo conta as peripécias de uma diva em decadência, ou não. Ora temos Helena Prestes em palco, a diva da música portuguesa, ora temos Maria, uma governanta muito especial, provavelmente de raízes populares.
Ao espetáculo de teatro junta-se também a música ao vivo, já que a peça termina com a "diva" numa alusão a um dos seus espetáculos.

produção_ASTA; encenação_Rui Pires; interpretação_Carmo Teixeira; texto _António Abernú; direção de produção_Sérgio Novo; design gráfico_Sérgio Novo; adereços e acessórios _Sérgio Novo e Paulo Runa; guarda-roupa_Sérgio Novo e Miguel Gigante; cenografia_João Cantador e Sérgio Novo; desenho de luz_João Cantador e Rui Pires; operação de luz e som_João Cantador e Rui Pires; arranjos musicais e piano_Hugo Santos; técnico de som_Miguel Castelo Branco; voz off _Horácio Carvalho; duração_60 min.; classificação etária_M/6

Entrada: Normal - 4€; C/ Cartão Municipal - 2€

FEVEREIRO 2019

TEATRO

CASA MUNICIPAL DA CULTURA

O teatro conta a história de dois irmãos gémeos, Maria e João. Separados à nascença, os gémeos crescem em casas com ambientes muitos diferentes, o que também se reflecte nas suas personalidades. No dia em que fazem 22 anos, recebem uma mensagem do pai "biológico", a confiar-lhes um tesouro "maior do que eles podem imaginar".
Motivados pela riqueza prometida, cada um dos irmãos parte à descoberta do tesouro. E nesta procura que eles se encontram e conhecem, sendo que a partir desse momento a aventura torna-se a interacção (difícil) que acontece entre os dois.
Um acidente de carro virá a aproximar os irmãos, e mudar as suas vidas para sempre.

Entrada livre, sujeita à lotação da sala

TEATRO _ Stand Up Comedy

CASA MUNICIPAL DA CULTURA

Depois do medo marca o regresso de Bruno Nogueira ao stand up e, juntamente com isso, o regresso à escrita de sinopses na terceira pessoa do singular. Neste seu novo espetáculo, Bruno Nogueira aborda questões que só incomodam pessoas que têm demasiado tempo livre.

Bilhetes à venda em:

  • Casa Municipal da Cultura
  • BOL https://goo.gl/iHStgR
  • todas as lojas Fnac
  • todas as lojas Worten
> Compre o seu bilhete antes que esgote!!!

TEATRO

CASA MUNICIPAL DA CULTURA

Este espetáculo baseia-se na obra de José Saramago. Fernando Pessoa e Ricardo Reis podem encontrar-se? Confrontar o criador e a sua obra? Qual a sua relação?
Ricardo Reis, homem vindo do Brasil, preocupa-se com a cidade de Lisboa e a sua passiva noção de felicidade. O país da sopa dos pobres e das obras de caridade em todas as paróquias e freguesias. O país onde se morre de doença e de falta de trabalho. O país dos milagres de Fátima e da devoção ao chefe...
Ricardo Reis veio para morrer, mas sobretudo para dar esperança a pacientes como Marcenda ou mulheres como Lídia.

Neste espetáculo destinado ao 12º ano e com uma duração prevista de 1h20min, o universo de Saramago e Fernando Pessoa fundem-se para dar ao público uma ideia do que era a vida social, económica e moral do nosso país pré salazarista.

TEATRO

CASA MUNICIPAL DA CULTURA

Esta história intemporal caracteriza a sociedade lisboeta do fim do séc. XIX: a política, as corridas de cavalos, as tardes passadas no Grémio Literário, os passeios em Sintra, os aspirantes a chique, etc.
Esta crítica à sociedade é feita através da narrativa da vida de Carlos da Maia, homem abastado e culto. Como a maioria das pessoas da época, acaba por viver uma vida dupla, tendo sido amante de várias senhoras da alta sociedade. Ao seu lado tem o seu melhor amigo, João da Ega, a projecção literária de Eça de Queirós. É uma personagem contraditória: romântico e sentimental, mas também progressista e crítico. O avô Afonso da Maia, assiste a tudo, observando e tentando, sem efeito, incutir a sua posição conservadora. Passamos também por Dâmaso Salcede, que representa tudo o que a sociedade tinha de pior. Mesquinho e convencido, tem uma única preocupação na vida: ser "chique a valer". Os Condes de Gouvarinho, espelhos da falsidade da sociedade, representam a incompetência do poder político.
Eça de Queirós descreve esta sociedade de costumes e acaba a história com o romance entre Carlos da Maia e Maria Eduarda, dois jovens que ao longo da trama descobrem algo que mudará as suas vidas para sempre. Um final trágico, mas óbvio e que somente Eça poderia dar nesta obra.

Texto e dramaturgia: Norberto Barroca; Encenação: Luís Trigo; Música: Luís Trigo; Elenco: Daniel Pinheiro, Luis Trigo, Kátia Guedes, Nuno Martins, Pedro M. Dias e Vânia Mendes; Cenografia: Paula Trigo; Figurinos e adereços: Paula Trigo e Helena Gama

www.facebook.com/EtceteraTeatro | www.etcteatro.pt

topo