ABRIL 2018

TEATRO _ Escolas

CASA MUNICIPAL DA CULTURA SEIA

O espetáculo parte de textos na sua maioria inéditos, criados em oficinas de escrita, onde se explora e combina a pluralidade de temas primordiais na vida dos adolescentes (e inevitavelmente de muitos adultos). A partir de situações ficcionadas e outras de inspiração em factos reais, o espetáculo aborda as problemáticas que envolvem o corpo e os seus significados nos contextos pessoal e colectivo; a sexualidade e orientações na sua ampla expressão; Identidades de género e as suas subjectividades; a descriminação e bullying, os comportamentos de risco, como as IST/DST e gravidez indesejada. A afetividade, o namoro, a violência dentro deste contexto, completam o leque temático do espetáculo.

Numa combinação de realidade e ficção, do científico com artístico, o espetáculo propõe uma experiência, a todos que o assistam, onde o lúdico, o pedagógico e o estético se encontram e se definem num objeto e função comuns.

Objetivo
Proporcionar junto do público escolar e outros interessados, um encontro para um diálogo entre o teatro e a realidade (s), possíveis, do público-alvo.
Abrir à reflexão muitas das problemáticas causadoras de inquietações, inseguranças, ansiedades, medos, mas também dos sonhos e desejos, para além de outras questões que coincidem com esta etapa da vida e, em certos aspetos, com outras etapas posteriores.

Textos - Criação em oficinas de escrita; Autores citados - Jean Cocteau, Jean Paul Sartre, Jean-Jacques Rousseau; Adaptação - Su Maia, Tó Maia; Encenação - Tó Maia; Música e sonoplastia - Filipe Silva; Dispositivos cénicos - Pedro Esperança; Guarda roupa - Teatro Aramá

Interpretação - Beatriz Magano, Cristóvão Lopes, Inês Granja e Tó Maia (atores substitutos Su Maia e Manuel A. Santos); Vozes off - Alexandre Rodrigues, Cristina Nunes, Débora Pinto, Filipe Silva, Jacinto Durães, Gina Mendes, Ricardo Vieira e elenco; Fotografia - André Delhaye; Video - Serge Bochnakian; Colaboração - Catarina Caldas; consultadoria médica Operação técnica - Filipe Silva/ Pedro Esperança Produção: Teatro Arama?


MARÇO 2018

TEATRO _ Escolas

CASA MUNICIPAL DA CULTURA SEIA

Este espetáculo baseia-se na obra de José Saramago. Fernando Pessoa e Ricardo Reis podem encontrar-se? Confrontar o criador e a sua obra? Qual a sua relação?
Ricardo Reis, homem vindo do Brasil, preocupa-se com a cidade de Lisboa e a sua passiva noção de felicidade. O país da sopa dos pobres e das obras de caridade em todas as paróquias e freguesias. O país onde se morre de doença e de falta de trabalho. O país dos milagres de Fátima e da devoção ao chefe...
Ricardo Reis veio para morrer, mas sobretudo para dar esperança a pacientes como Marcenda ou mulheres como Lídia.

Neste espetáculo destinado ao 12º ano e com uma duração prevista de 1h20min, o universo de Saramago e Fernando Pessoa fundem-se para dar ao público uma ideia do que era a vida social, económica e moral do nosso país pré salazarista.


TEATRO _ Escolas

CASA MUNICIPAL DA CULTURA SEIA

Esta história intemporal caracteriza a sociedade lisboeta do fim do séc. XIX: a política, as corridas de cavalos, as tardes passadas no Grémio Literário, os passeios em Sintra, os aspirantes a chique, etc.
Esta crítica à sociedade é feita através da narrativa da vida de Carlos da Maia, homem abastado e culto. Como a maioria das pessoas da época, acaba por viver uma vida dupla, tendo sido amante de várias senhoras da alta sociedade. Ao seu lado tem o seu melhor amigo, João da Ega, a projecção literária de Eça de Queirós. É uma personagem contraditória: romântico e sentimental, mas também progressista e crítico. O avô Afonso da Maia, assiste a tudo, observando e tentando, sem efeito, incutir a sua posição conservadora. Passamos também por Dâmaso Salcede, que representa tudo o que a sociedade tinha de pior. Mesquinho e convencido, tem uma única preocupação na vida: ser "chique a valer". Os Condes de Gouvarinho, espelhos da falsidade da sociedade, representam a incompetência do poder político.
Eça de Queirós descreve esta sociedade de costumes e acaba a história com o romance entre Carlos da Maia e Maria Eduarda, dois jovens que ao longo da trama descobrem algo que mudará as suas vidas para sempre. Um final trágico, mas óbvio e que somente Eça poderia dar nesta obra.

Texto e dramaturgia: Norberto Barroca; Encenação: Luís Trigo; Música: Luís Trigo; Elenco: Daniel Pinheiro, Luis Trigo, Kátia Guedes, Nuno Martins, Pedro M. Dias e Vânia Mendes; Cenografia: Paula Trigo; Figurinos e adereços: Paula Trigo e Helena Gama
www.facebook.com/EtceteraTeatro | www.etcteatro.pt


FEVEREIRO 2018

TEATRO _ Musical

CASA MUNICIPAL DA CULTURA

Dia 11 – 15:30H

BARTOLOMEU, O VOADOR

Integrado na 58ª edição do Festival DME que decorrerá em Seia nos dias 11 e 12 de Fevereiro, terá lugar domingo dia 11, a estreia do teatro musical infantil “Bartolomeu, o voador”, com música de Jaime Reis, direção musical de Helder Abreu e encenação de José Baptista.

O espetáculo apoiado pelo município de Seia, decorrerá no Cineteatro da Casa da Cultura de Seia a partir das 15:30 horas e contará com interpretação de alunos do Collegium Musicum - Conservatório de Música de Seia. Será no dia 11 de fevereiro pelas 15h30, na Casa Municipal da Cultura de Seia.

Entrada livre.


topo